Relatório de Progresso do Pacto Global das Nações Unidas (COP) 2018

DIREITOS HUMANOS

Princípio 1: Apoio e respeito dos direitos humanos

Princípio 2: Exclusão de violações dos direitos humanos

Declaração de princípios sobre o respeito pelos direitos humanos

Enquanto empresa comercial internacional, com redes de abastecimento amplas, acreditamos que é da nossa responsabilidade respeitar os direitos humanos e prevenir a sua violação. Por essa razão, publicámos em 2018 a nossa Declaração de princípios sobre o respeito pelos Direitos Humanos. Nessa declaração, reconhecemos os Princípios Orientadores para Empresas e Direitos Humanos das Nações Unidas (United Nations (UN) Guiding Principles on Business and Human Rights). Os seguintes quadros constituem, para nós, ulteriores normas e diretrizes determinantes: a Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU, a Convenção da ONU sobre os Direitos da Criança, a Convenção da ONU sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mulheres, as normas fundamentais do trabalho da OIT (Organização Internacional do Trabalho), assim como as orientações da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) para as empresas multinacionais. Os valores e normas aí consagrados espelham-se também nas nossas próprias normas e regras. Nestas incluem-se, há vários anos, a política vinculativa de Corporate Responsibility (CR-Policy), assim como o “Acordo suplementar relativo às normas sociais: compromisso por condições de trabalho dignas e justas nas nossas cadeias de abastecimento”, que definem o quadro de ação vinculativo para os nossos parceiros comerciais e para os colaboradores ALDI.

Dever de diligência em matéria de direitos humanos nas nossas cadeias de abastecimento

Estamos cientes de que o fabrico de produtos ao longo de cadeias de abastecimento complexas tem riscos associados. Por essa razão, apuramos continuamente os riscos para os direitos humanos e tomamos medidas, a fim de mitigar os efeitos negativos nas nossas cadeias de abastecimento. Fazemo-lo, entre outras coisas, através de uma contínua análise dos hotspots, monitorização, estudos e diálogo com as partes interessadas.

No setor Non-Food, fazemos regularmente um levantamento das condições de trabalho nos locais de produção dos nossos fornecedores situados em países de risco. Fazemo-lo através de auditorias sociais abrangentes e de certificações, levadas a cabo por prestadores de serviços externos, bem como de inspeções dos locais de produção realizadas pelo ALDI (ALDI Social Assessments – ASAs). Trocamos ideias in loco com as partes interessadas, bem como com os possíveis afetados, a fim de melhor identificar as violações de direitos humanos e de as prevenir atempadamente.

Em 2018, realizámos uma análise sistemática e abrangente dos riscos sociais e ambientais para os direitos humanos ao longo das nossas cadeias de abastecimento alimentares. No âmbito desta análise, as seguintes matérias-primas e categorias de produtos do sortido foram consideradas particularmente relevantes: café, cacau, frutos secos e frutas tropicais, bem como molhos, óleos, especiarias e ervas aromáticas, peixe e marisco, conservas de frutas e legumes e legumes ultracongelados. Nas nossas páginas web poderá encontrar mais informações sobre os resultados da análise de risco. De futuro, colocaremos uma ênfase especial nas matérias-primas de risco, nos países de origem relevantes e aplicaremos medidas específicas no âmbito de estratégias internacionais em matéria de fornecimento responsável.

Atualmente, aplicamos diversas medidas para reduzir riscos para os direitos humanos nas nossas cadeias de abastecimento Food e Non-Food. Entre estas incluem-se, por exemplo, a qualificação de locais de produção de têxteis para vestuário no Bangladeche, país de alto risco, no âmbito do ALDI Factory Advancement (AFA) Project, e o respeito de normas estabelecidas de auditoria e certificação nos processos de compra. Nas nossas políticas de compra definimos, além disso, objetivos e medidas para diferentes matérias-primas e grupos de produtos. Também aumentamos o número de auditorias sociais para artigos Food, realizadas internamente, mas também por empresas externas.

Estamos cientes de que muitos desafios sistémicos só podem ser ultrapassados em cooperação com outros parceiros. Por esta razão, participamos em inúmeras iniciativas multilaterais, e trabalhamos em projetos na origem com diferentes parceiros. Por exemplo, em 2018 demos início a um projeto na Costa do Marfim, que visa formar cerca de 3200 pequenos agricultores de óleo de palma. O projeto é apoiado localmente pela organização não-governamental Solidariedad International, que se bate por cadeias de abastecimento mais sustentáveis. Os pequenos agricultores seguem um abrangente programa de formação. Após a sua conclusão, obtêm a certificação de acordo com os critérios da Roundtable on Sustainable Palm Oil (RSPO).

Melhorias contínuas e transparência

A aplicação do dever de diligência em matéria de direitos humanos é sempre um processo evolutivo. Por isso, revemos continuamente as nossas estratégias CR, processos e instrumentos. Em www.cr-aldinord.com e nas nossas páginas web informamos, no âmbito dos nossos relatórios de sustentabilidade, de forma transparente sobre os nossos progressos, medidas e objetivos.

NORMAS LABORAIS

Princípio 3: Respeito da liberdade de associação

Princípio 4: Abolição do trabalho forçado

Princípio 5: Abolição do trabalho infantil

Princípio 6: Eliminação da discriminação

Responsabilidade ao longo das nossas cadeias de abastecimento

A responsabilidade na cadeia de abastecimento é um pilar de ação central da nossa política de Corporate Responsibility (CR Policy). Relativamente às condições de trabalho impomos requisitos claros aos nossos fornecedores e aos locais de produção por eles contratados. Existem certos aspetos que são especialmente relevantes para nós, na qualidade de retalhista, pois podem ser mais fortemente influenciados pelas nossas ações. Estes incluem, por exemplo, os temas da segurança e saúde, a liberdade de associação, a remuneração e os horários de trabalho, assim como a luta contra a discriminação, o trabalho infantil e o trabalho forçado.

Taxa de auditoria nos locais de produção dos grupos de produtos Non-Food em países de risco (em percentagem)

Nas cadeias de abastecimento Non-Food, obrigamos todos os nossos fornecedores a cumprirem o Código de Conduta amfori BSCI (BSCI – Business Social Compliance Initiative). O Código de Conduta é baseado em várias convenções internacionais, entre elas as convenções fundamentais da OIT (Organização Internacional do Trabalho) e a Declaração dos Direitos Humanos das Nações Unidas (ONU). Nele encontram-se consagrados onze direitos laborais centrais, entre eles, o direito à segurança no local de trabalho, a remuneração correta, bem como a exclusão da discriminação, trabalho infantil ou trabalho forçado. Todos os locais de produção contratados pelos nossos fornecedores devem apresentar uma auditoria amfori BSCI, com resultado suficiente, uma certificação SA8000 ou uma auditoria social equivalente com resultado suficiente. A taxa de auditoria dos locais de produção do grupo de produtos Non-Food em países de risco foi de 100 por cento em 2018.

Número de ALDI Social Assessments (ASAs)

  2017 2018
Nº de países em que foram realizados ASAs 8 6

Nº de ASAs realizados
   dos quais, na China

199
135

327
240

Rácio entre locais de produção Non-Food em países de risco, nos quais se apuraram riscos sociais, e nº total de ASAs realizados

12,6% 24,5%

Em conjunto com os nossos fornecedores, visitamos os locais de produção contratados no âmbito dos ALDI Social Assessments (ASA). O ASA abrange conversações com a direção, auditorias financeiras, uma visita ao local de produção para verificação de condições laborais e sociais, e conversas com os trabalhadores. Na ocorrência de inconformidades, elaboramos, em conjunto com os fornecedores e locais de produção, planos de medidas corretivas que permitam obter rápidas melhorias sustentáveis e verificamos a implementação das mesmas. No ano de referência do presente relatório, executámos 327 ASAs em seis países, tendo a maioria ocorrido na China (73 por cento). Em cerca de 24,5 por cento dos locais de produção visitados, detetámos inconformidades, por exemplo, quanto à segurança e higiene no trabalho. Muitas vezes, tais inconformidades são causa subjacente de desafios estruturais nos países de produção, os quais abordamos também através de iniciativas globais como o Bangladesh Accord on Fire and Building Safety.

No ano em análise no relatório, continuamos também a desenvolver o ALDI Factory Advancement (AFA) Project. No centro do projeto estão temas como a segurança e saúde no trabalho, proteção contra incêndios, remuneração, horários de trabalho e discriminação. Atualmente, 38 dos locais de produção já fazem parte do programa, o que corresponde a cerca de 53 por cento do volume de compras de têxteis de vestuário (2015: 35 por cento) do Bangladeche. Mais de 85 000 trabalhadores beneficiam deste programa. No âmbito de outro projeto, o AFA Project PLUS, e em conjunto com uma ONG do Bangladeche, foram abertos infantários para os filhos dos trabalhadores em nove fábricas, até meados de 2017. Em 2018, mais sete locais de produção aderiram ao AFA Project PLUS.

Enfrentamos os desafios pluridimensionais da indústria têxtil em cooperação com outras empresas, governos, ONGs e sindicatos. Participamos ativamente em iniciativas setoriais e multilaterais, tais como a Aliança Alemã para Têxteis Sustentáveis ou a organização internacional amfori. Desta forma contribuímos para o desenvolvimento de normas e para melhorias estruturais.

Também no caso de artigos alimentares assumimos uma corresponsabilidade pela produção mais sustentável de matérias-primas, ao longo de toda a cadeia de valor. Definimos políticas de compra específicas para estas matérias-primas e diretrizes internas para as compras. Ao mesmo tempo, trabalhamos em estreita cooperação com os nossos fornecedores e participamos em iniciativas setoriais e multilaterais.

Todos os produtores de fruta e legumes, cujos artigos são comercializados pelo ALDI Nord devem apresentar uma certificação GLOBALG.A.P. válida e uma avaliação social de acordo com o módulo adicional GRASP da GLOBALG.A.P. (GLOBALG.A.P. Risk Assessment on Social Practice) ou uma avaliação social equivalente. Em finais de 2018, a proporção de locais de produção avaliados em todas as sociedades ALDI era de quase 100 por cento.

Também nos países de origem das matérias-primas nos empenhamos por uma melhoria das condições laborais. Um exemplo do cacau: em 2018, inteirámo-nos da situação das zonas de produção de cacau na Costa do Marfim, junto dos produtores no local. Além disso, desde 2018, somos parceiros do Programa Fairtrade do Cacau. Ou seja, para diversos produtos de marca própria, abastecemo-nos de cacau certificado no âmbito do Programa Fairtrade do Cacau. Ao contrário do selo da certificação Fairtrade, trata-se neste programa de uma aquisição justa do cacau enquanto matéria-prima e não da composição e certificação de produtos individuais. A ALDI Bélgica aderiu, além disso, à iniciativa Beyond Chocolate no início de dezembro de 2018. Esta iniciativa tem como objetivo tornar o chocolate mais sustentável. Trata-se concretamente de lutar contra o trabalho infantil, pôr fim à desflorestação e permitir aos produtores de cacau um rendimento condigno. Através de outros projetos empenhamo-nos também nos países de origem dos nossos produtos do café e do algodão. Mais informações no capítulo sobre a Proteção Ambiental.

Valorização dos trabalhadores no ALDI Nord

Seja nas lojas, compras, administração, logística ou informática, são os 74 000 colaboradores ALDI que contribuem decisivamente para o sucesso do ALDI Nord. Todos eles devem sentir-se orgulhosos de trabalhar no ALDI Nord. Oferecemos postos de trabalho seguros, condições de trabalho atraentes e perspetivas de desenvolvimento a longo prazo. Uma atitude aberta, cooperante e respeitosa é muito importante para nós. A valorização de cada um dos colaboradores e a sua ligação ao ALDI Nord estão no centro das atenções.

A responsabilidade pelo pessoal é descentralizada em todas as empresas do grupo empresarial ALDI Nord. A base comum para o trabalho de recursos humanos são a Imagem Corporativa, o conceito “Human Resources (HR)” e a Imagem Corporativa de Liderança.

A liberdade de associação é plenamente garantida nas localizações do grupo empresarial. Na Alemanha, já desde os anos 70 que são eleitos representantes de interesses na empresa. Em 2018, cada uma das 32 empresas regionais da ALDI alemãs foi representada pela sua própria comissão de trabalhadores. Na Bélgica e na Holanda também há comissões de trabalhadores. Nos outros países, o diálogo é feito diretamente com os sindicatos responsáveis.

Nos nove países europeus, em que o ALDI Nord está representado, trabalham pessoas de 120 nacionalidades. Esta multiculturalidade pertence ao ALDI Nord, pois enriquece a nossa cooperação e espelha a diversidade dos nossos clientes. Opomo-nos de forma clara a qualquer forma de discriminação. Isto aplica-se a todos os países: independentemente de sexo, idade, religião ou crença, identidade sexual, origem ou incapacidade física, todos os colaboradores têm as mesmas oportunidades. Estes valores estão consagrados na nossa Política CR (“CR-Policy”). Para garantir igualdade de condições para todos, no ALDI Nord apoiamos os nossos colaboradores na conciliação de trabalho, tempos livres e família. Em 2018, a proporção de colaboradores do sexo feminino rondava os 67 por cento. Nas posições de chefia, cerca de 28 por cento eram do sexo feminino e aproximadamente uma em cada duas lojas era gerida por uma mulher. Para nós, isto vem confirmar o caminho seguido, que passa por uma atribuição de funções de chefia claramente baseada no desempenho individual. Os colaboradores ALDI são naturalmente remunerados de forma justa e de acordo com a sua função, independentemente do sexo.

Mulheres em posições de chefia

Percentagem de colaboradores do sexo feminino em posições de chefia em 31/12

  2016 2017 2018
Bélgica/Luxemburgo1 27,3 29,5 31,3
Dinamarca 20,0 21,3 27,0
Alemanha 26,7 27,8 28,4
França 21,4 23,1 21,7
Holanda 16,3 17,9 17,7
Polónia 40,3 36,7 33,7
Portugal 45,2 48,0 50,0
Espanha 32,8 34,0 36,3
Grupo empresarial 25,8 27,3 28,0

1 Os dados relativos às sociedades juridicamente independentes do grupo empresarial ALDI Nord na Bélgica e no Luxemburgo foram agregados para fins de simplificação (ver “Sobre o update“).

Há quatro anos que seguimos em todos os países estratégias claras de modernização, através da reestruturação das nossas lojas e da revisão específica do nosso sortido. Estas acarretam também mudanças para os colaboradores no ALDI Nord. O trabalho no âmbito de recursos humanos é adaptado em conformidade. Em 2018, o grande enfoque foi o desenvolvimento dos cargos de direção e dos jovens talentos. Os conteúdos foram selecionados com base nos resultados do inquérito aos colaboradores de todos os países, realizado em 2017, e incidem sobretudo nas seguintes temáticas: liderança, gestão do tempo e pessoal, comunicação, valorização e justiça. Em 2018, a ALDI Holanda, por exemplo, deu formação a 80 por cento dos responsáveis de lojas e a 100 por cento dos quadros de chefia superiores. Também na Alemanha, 100 por cento dos quadros superiores e das chefias operacionais participou em ações de formação, por exemplo no quadro de conferências para chefias. Em 2018, na Bélgica, França, Dinamarca, Polónia, Portugal e Espanha também foram organizadas ações de formação contínua para colaboradores em cargos de chefia. Dependendo do país, os temas na ordem do dia variavam entre desenvolvimento do pessoal, proteção de dados, Compliance ou recrutamento.

PROTEÇÃO AMBIENTAL

Princípio 7: Proteção ambiental preventiva

Princípio 8: Promoção da consciência ambiental

Princípio 9: Difusão de tecnologias amigas do ambiente

Proteção ambiental nos edifícios

Comprometemo-nos com a redução das consequências da nossa atividade comercial no clima. Já em 2015, definimos na nossa Política de Corporate Responsibility (CR) o objetivo de agir em prol do clima. Na nossa Política Climática publicada em 2018, estabelecemos um objetivo ambicioso. Até 2021, queremos reduzir as nossas emissões de gases com efeito de estufa em 40 por cento, face aos valores de 2015. Com um roteiro claro, trabalhamos no sentido de alcançar esta meta: por exemplo, melhoramos a eficiência energética das lojas e dos centros logísticos, graças a tecnologias inovadoras. Ao mesmo tempo otimizamos os nossos processos logísticos e as tecnologias de refrigeração. A eletricidade de fontes renováveis é outra peça fulcral das nossas estratégias para o clima. Além disso, criamos as condições para que a proteção climática faça parte dos nossos processos empresariais. Em 2018, na Alemanha, foi definido um preço interno por tonelada de CO2. De futuro, este preço será aplicado em todas as decisões de investimento relevantes em termos de emissões.

No período em análise no presente relatório, foi possível progredir na aplicação das nossas medidas de proteção climática. Na ALDI Holanda são introduzidos, desde 2018, sistemas de gestão energética de acordo com a ISO 50001, através dos quais é possível fazer uma melhor avaliação e controlo do consumo energético. Na Alemanha e em Espanha, já desde 2017 que são utilizados sistemas abrangentes de gestão de dados energéticos.

Entre 2015 e 2018, conseguimos reduzir as emissões provenientes das perdas de fluidos refrigerantes em cerca de 6 por cento, para aproximadamente 93 000 toneladas de equivalente CO2. Tal foi possível graças à introdução de sistemas de monitorização digitais. Na Alemanha e na Holanda, este sistema é de aplicação generalizada já desde 2017. Desde 2018, em todas as novas lojas da ALDI França que utilizam CO2 como fluido refrigerante, é utilizado igualmente um sistema de monitorização digital. A ALDI Espanha está atualmente a testar sistemas de automatização de edifícios, a fim de detetar fugas de fluidos refrigerantes. Uma vez terminada a fase de testes, será tomada uma decisão sobre a utilização do sistema.

Emissões de gases com efeito de estufa – Scope 1 e 2

Emissões de gases com efeito de estufa – Scope 1 e 2 (em toneladas equivalente CO2)

As emissões de gases com efeito de estufa foram apuradas com base no consumo de energia e combustível e nas perdas de fluidos refrigerantes. O cálculo obedece aos requisitos do Protocolo Greenhouse Gas (GHG), utilizando os fatores de emissões DEFRA (Department for Environment, Food and Rural Affairs) e GEMIS (Modelo Global de Emissões de Sistemas Integrados) para as emissões respeitantes ao abastecimento de energia térmica à distância. Conforme o Protocolo GHG, o cálculo das emissões Scope-2, resultantes do consumo de energia, é efetuado em separado e, com base nos fatores de emissões baseados no local e no mercado. No método baseado no local são considerados fatores para uma determinada região geográfica (por exemplo um país), para o método baseado no mercado são consideradas, desde que seja possível, as emissões do fornecedor de energia e da mistura individual de tipos de energia de uma empresa. O cálculo das emissões de gases de estufa baseadas no local sustenta-se nos fatores da International Energy Agency.

  2016 2017 2018
  Scope 11 Scope 22
“baseado no local “
Scope 22
“baseado no mercado”
Scope 11 Scope 22
“baseado no local “
Scope 22
“baseado no mercado”
Scope 11 Scope 22
“baseado no local “
Scope 22
“baseado no mercado”
Bélgica / Luxemburgo3 40 328 18 656 13 246
38 639 23 205 15 102 38 325 16 328 22 312
Dinamarca 10 466 11 372 10 914
14 942 8147 10 852 9300 8824 18 354
Alemanha 110 178 211 664 38 301
108 069 204 936 223 790 114 111 210 007 195 823
França 75 277 6863 6276
67 101 8423 6760 69 181 10 267 9760
Holanda 29 802 38 393 143 28 147 41 228 124 25 884 41 910 126
Polónia 5501 14 688 15 185
6931 17 245 18 303 8727 19 343 18 558
Portugal 2817 3793 4334 5728 6177 5477 3455 5709 5711
Espanha 12 267 20 096 26 774
10 980 26 210 30 269 8379 26 340 169
Grupo empresarial 286 636 325 525 115 173
280 537 335 571 310 679 277 362 338 728 270 813

1 Scope 1: emissões de consumo de energia direto em edifícios, consumo de combustível na logística e perda de fluidos refrigerantes.
2 Scope 2: emissões de consumo de energia elétrica e energia térmica à distância, repartidas por emissões baseadas no local e no mercado.
3 Os dados referentes às sociedades juridicamente independentes do grupo empresarial ALDI Nord na Bélgica e no Luxemburgo foram agregados para fins de simplificação (ver “Sobre o update“).

Em Turnhout, a ALDI Bélgica inaugurou um novo centro logístico, edificado em conformidade com as técnicas de construção mais avançadas em termos de sustentabilidade. O centro logístico foi certificado de acordo com o sistema internacional BREEAM (Building Research Establishment Environmental Assessment Methodology), tratando-se assim do edifício industrial mais sustentável da Bélgica neste momento. Para além da mais avançada técnica de iluminação LED ativada por sensores de movimento, são utilizadas técnicas de frio energeticamente eficientes, assim como um moderno sistema de aquecimento de pavimento.

Os telhados de muitas lojas e centros logísticos estão equipados com sistemas fotovoltaicos. Em 2018, as nossas instalações já tinham uma capacidade instalada de quase 46 000 kWp (Kilowatt-peak) e produziam mais de 36 400 MWh de energia elétrica. Desta forma, foi possível evitar cerca de 10 300 toneladas de emissões de CO2 – um aumento de aproximadamente 55 por cento face a 2017. Até 2021, queremos produzir uma potência nominal adicional de mais de 50 000 kWp graças a novas instalações. Só na ALDI França estão previstas 120 novas instalações. Na ALDI Bélgica, foram adicionados quatro novos sistemas fotovoltaicos em 2018, havendo agora um total de 44 sistemas instalados. Além disso, há outros 30 já planeados. Na ALDI Portugal, no fim de 2018, havia já 21 sistemas fotovoltaicos instalados. O objetivo é que, até 2021, seja instalada uma potência adicional de cerca de 5000 kWp.

Atualmente consumimos cerca de 73 por cento da eletricidade produzida por nós, a restante é introduzida na rede elétrica. Queremos aumentar a proporção da energia que consumimos. Para tal, temos um projeto-piloto na área das tecnologias de armazenamento que nos permitem utilizar a eletricidade gerada em momentos posteriores. Na Alemanha equipamos cinco lojas-piloto com o sistema inovador de baterias de gelo ESyCool green. No Verão, utilizamos a energia para a refrigeração dos móveis de frio; no inverno, para o aquecimento das lojas.

Para alcançar as nossas metas climáticas, estamos além disso a planear adquirir mais energia verde até 2021. Em 2015, a ALDI Holanda converteu toda a energia elétrica utilizada para energia verde, conseguindo que esta tenha sido proveniente unicamente de energia eólica no ano de 2017. Desta forma, reduzimos as emissões CO2, no ano de 2017, em 40 000 toneladas. Atualmente elaboramos critérios rigorosos para a aquisição de energia verde.

Cooperação para a formação climática nas escolas

Na Alemanha, iniciámos uma nova cooperação com a organização ambientalista atmosfair. O objetivo é sensibilizar crianças e jovens para o tema da proteção climática. A atmosfair oferece módulos de aprendizagem, no âmbito do qual se dão respostas a perguntas da realidade quotidiana. Por exemplo: “Qual a pegada de carbono dos bens alimentares entre o local de produção até à loja?” “Quanto CO2 gero quando vou de férias de avião?” Nos módulos educativos, responde-se de forma divertida a estas e muitas outras perguntas relacionadas com o clima e o ambiente. A atmosfair desenvolveu estes módulos juntamente com a organização alemã “Deutsche Umwelt-Aktion” para o quarto ano das escolas primárias. Para o ensino secundário, foi criada a “Expedição Climática Germanwatch”, que oferece aos alunos uma visão aprofundada das interações a nível global, do nosso clima e das alterações climáticas. A ALDI Nord Alemanha apoia este projeto com um total de 250 mil euros. Em toda a Alemanha, um total de 34 mil alunos participarão neste projeto.

A ALDI Holanda também está a levar a cabo um projeto escolar sobre a educação ambiental. Para mais informações, consultar o capítulo “Sensibilizar”.

Café: proteção ambiental in loco

Queremos promover o cultivo responsável de café nos países de origem. No âmbito da nossa Política Internacional de Compra de Café, definimos em 2016 o objetivo de aumentar continuamente as quantidades de café verde certificadas nos nossos produtos de marca própria. Em finais de 2018, em todo o grupo empresarial ALDI Nord, 43,8 por cento do café verde nos produtos de marca própria detinha um selo UTZ, EU-Bio, Fairtrade ou Rainforest Alliance CertifiedTM (2015: 13 por cento).

Desde março de 2017, estamos empenhados na Colômbia, juntamente com a Fundação Hanns R. Neumann, no apoio à produção de café mais sustentável. Pequenos produtores recebem formação sobre métodos de cultivo sustentáveis, técnicas melhoradas de processamento de café, gestão profissional das plantações e planeamento operacional. No início de 2019, o projeto foi concluído, tendo apoiado um total de 800 pequenos agricultores. Em abril de 2019, comercializámos pela primeira vez café proveniente deste projeto como artigo de ação na ALDI Nord Alemanha.

Têxteis: processos de fabrico e projetos na origem

Com os nossos produtos greenline promovemos a utilização de técnicas mais eficientes em termos de recursos no processo de fabrico de têxteis. Uma dessas técnicas é o processo Dope Dyed. Este consiste em tingir as fibras de poliéster de tal forma que os pigmentos não são aplicados, como era habitual até agora, na superfície do filamento, mas diretamente no processo de fiação. Desta forma é possível poupar até 95 por cento de CO2, até 85 por cento de água e até 75 por cento de energia. Além disso, utilizam-se menos substâncias químicas. Sempre que possível e economicamente viável, passamos os produtos que comercializamos para o processo Dope Dyed. Além disso, fazemos uma avaliação contínua, juntamente com os nossos fornecedores, de outras técnicas amigas do ambiente nas cadeias de abastecimento.

Em 2017, na Alemanha, publicámos a Política Nacional de Compra de Algodão. Devido à compra conjunta de determinados artigos, esta abrange a maioria dos artigos de algodão comercializados em todas as sociedades ALDI nos países. Na política de compra definimos o objetivo de aumentar a percentagem de algodão sustentável para 30 por cento até 2018. Esta meta, foi inclusivamente ultrapassada, com 33 por cento alcançados no final de 2018. Para o efeito utilizamos atualmente o Global Organic Textile Standard (GOTS), o Organic Content Standard (OCS), algodão Fairtrade, algodão biológico e algodão reciclado. Em 2018 iniciámos também uma parceria com a Iniciativa Cotton made in Africa (CmiA), apoiando as atividades desta organização nos países de origem.

Desde 2018 que apoiamos um projeto na Ásia Central, que visa facilitar o acesso dos pequenos agricultores a sementes de algodão não geneticamente modificadas. O projeto é realizado em cooperação com a organização Fairtrade Alemanha e a Sociedade Alemã para a Cooperação Internacional (Deutschen Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit – GIZ). O objetivo é, não só aumentar a quantidade de algodão não geneticamente modificado, como também ministrar formação aos pequenos agricultores, a fim de melhorar a qualidade do algodão não geneticamente modificado. Desta forma, os agricultores conseguem auferir rendimentos mais elevados. Os projetos no Quirguistão e Tajiquistão decorrem até abril de 2020. Independentemente deste projeto, já há vários anos que oferecemos roupa de cama de cambraia de algodão Fairtrade, proveniente da região, e em 2019 iremos de novo oferecê-la.

Em 2018, participámos pela terceira vez na comparação do sector de filamentos têxteis “Preferred Fiber and Materials Market Report”. O ranking é feito pela organização não-governamental Textile Exchange. Na categoria de grandes fornecedores de algodão biológico ficámos em oitavo lugar. Além disso, fazemos parte de um grupo de três membros que, desde o início do benchmark em 2016, alcançou os maiores progressos na utilização de fibras sustentáveis.

Em 2018 também publicámos um Relatório Intercalar sobre a implementação do Compromisso Detox. Com este compromisso voluntário sublinhamos o nosso apoio constante à campanha Detox da Greenpeace.

A nossa nova política da água

Enquanto retalhista com atuação internacional, estamos cientes de que muitos dos produtos que comercializamos podem acarretar riscos hídricos nos países de fabrico e produção. Isto aplica-se sobretudo aos produtos agrícolas, cuja produção corresponde a aproximadamente 70 por cento do uso de água mundial. Os processos de acabamento de têxteis e calçado são outro domínio de risco que identificámos. Para fazermos jus à responsabilidade assumida, definimos objetivos ambiciosos: na nossa Política de Proteção das Águas publicada em março de 2019 para a Alemanha, definimos medidas vinculativas para um uso responsável da água. Estas incluem o setor alimentar, de têxteis e a gestão de água a nível empresarial. Outros objetivos incluem, nomeadamente, a redução da libertação de microplásticos para o ambiente. De futuro, a Política de Proteção das Águas será alargada a mais países.

Sensibilizar

Enquanto empresa de discounter líder no mercado, fornecemos aos nossos clientes produtos de necessidade diária. Todos os anos, os nossos clientes efetuam cerca de 1,2 mil milhões de compras nas nossas lojas. O nosso objetivo é promover um estilo de vida saudável e sustentável e oferecer compras acessíveis e responsáveis a um grande número de consumidores.

Utilizamos vários instrumentos para informar os nossos clientes sobre aspetos sociais e ambientais dos nossos produtos: no nosso folheto ALDI Atual, através de outras ações publicitárias, nas nossas lojas ou através de uma indicação clara no produto. Também através de campanhas e projetos específicos, aumentamos a consciência para os desafios em termos de sustentabilidade: por exemplo, a ALDI Holanda está empenhada em sensibilizar alunos para o tema dos resíduos de plástico, juntamente com a fundação Plastic Soup. Em 2018, a ALDI Holanda colocou 200 mil euros ao dispor desta fundação, permitindo que o projeto chegasse a 200 mil crianças. Na Alemanha, apoiamos a start-up social Plastic Bank, que luta contra os resíduos de plástico nos oceanos. Para isso, a Plastic Bank cria estações de recolha de plásticos em países com uma taxa de pobreza elevada e uma gestão de resíduos pouco desenvolvida. Aqueles que entregam resíduos de embalagens nas estações de recolha, antes de estes entrarem nos cursos de água ou nos oceanos, podem ganhar dinheiro ou usufruir de serviços sociais. Seguidamente, os resíduos entregues são triados, transformados e introduzidos de novo na cadeia de valor da reciclagem. Nas regiões com maiores problemas ambientais são criadas estações, nas quais os habitantes podem trocar lixo plástico por dinheiro, produtos ou serviços. Desta forma, criam-se incentivos adicionais à recolha de lixo nas regiões circundantes. Nós apoiamos especificamente uma estação de recolha nas Filipinas.

Sortidos mais sustentáveis

Os vários Departamentos de Compras Centrais do ALDI Nord são responsáveis pelas aquisições. Em conjunto, discute-se que medidas podem ser tomadas para que os produtos sejam mais sustentáveis. Nas nossas Políticas de Compra documentamos o status quo e definimos objetivos para a conversão das matérias-primas para recursos certificados. Além disso, excluímos determinados produtos ou métodos de produção críticos através de “listas críticas”. O ALDI Transparency Code (ATC) permite aos nossos clientes rastrear a origem de vários produtos da carne ao nível de todo o grupo empresarial; na Alemanha também no caso de produtos de pescado, ovos frescos e, desde 2018, têxteis de algodão sustentável.

O nosso objetivo é alargar a nossa oferta de artigos Fairtrade em todos os países. Em 2018, faziam parte do nosso sortido 90 artigos Fairtrade em todo o grupo empresarial, representando um aumento de 23 por cento face ao ano anterior. Em 2018, a ALDI Bélgica foi o retalhista líder em termos de Fairtrade.

Quantidade de artigos Fairtrade

Quantidade de artigos de marca própria com certificação Fairtrade nos sortidos1

  2016 2017
2018
Bélgica/Luxemburgo2 9 16 16
Dinamarca 11 19 22
Alemanha 21 30 42
França 1 14 15
Holanda 41 29 34
Polónia 1 6 17
Portugal 12 19 22
Espanha 4 4 7
Grupo empresarial 70 73 90

1 Por vezes, as centrais de compras do ALDI Nord compram alguns artigos também para outros países. Por isso, a soma total dos artigos comprados pode ser inferior à soma das repartições por países
2 Os dados relativos às sociedades juridicamente independentes do grupo empresarial ALDI Nord na Bélgica e no Luxemburgo foram agregados para fins de simplificação (ver “Sobre o update“).

Juntos na “Missão das Embalagens”

A prevenção dos resíduos é um pilar fundamental do desenvolvimento sustentável. Os resíduos de embalagens compõem a maioria dos resíduos produzidos pelo ALDI Nord. Por essa razão, em 2018 iniciámos a “Missão das Embalagens”, na Alemanha, para as embalagens dos nossos produtos de marca própria. Até 2025 queremos reduzir o peso total das embalagens dos nossos produtos de marca própria na Alemanha, relativamente ao volume de negócios, em 30 por cento (ano de base: 2015). Até 2022, 100 por cento das embalagens dos nossos produtos de marca própria deverão ser recicláveis. O alargamento a todo o grupo empresarial é o passo seguinte.

Para alcançarmos os nossos objetivos, apoiamo-nos no princípio “Reduzir, Reutilizar e Reciclar”. Sempre que possível, tentamos evitar as embalagens. Queremos, assim, reduzir as embalagens das frutas e legumes tanto quanto possível e oferecer ainda mais artigos não embalados. Não perdemos, contudo, de vista, que a qualidade do produto se deve manter e que o desperdício alimentar deve ser evitado. No futuro, iremos tornar as embalagens ecológicas mais visíveis para os nossos clientes, através do logo da campanha da “Missão das Embalagens ALDI”.

Num futuro próximo, aspiramos a delinear objetivos internacionais em matéria de embalagens para todo o grupo empresarial. Desta forma, enviaremos uma mensagem clara de combate aos resíduos de embalagens e daremos um contributo no que toca à promoção da economia circular. A nossa Política Internacional de Compra de Madeira inclui igualmente metas claras relativas às embalagens. Além disso, as sociedades ALDI nos vários países elaboram as suas próprias estratégias relativas às embalagens.

Graças aos sistemas de reutilização de embalagens de transporte e secundárias, assim como às caixas reutilizáveis para a fruta e legumes, poupamos já hoje em dia 62 milhões de caixas de cartão de utilização única e cerca de 22 000 toneladas de CO2 por ano. Quando as embalagens de utilização única são indispensáveis para proteger as nossas mercadorias durante o transporte, são utilizadas películas e caixas de cartão à base de materiais recicláveis e sustentáveis que podem ser reciclados a 100 por cento. Além disso, as caixas de utilização única são já, em muitos dos países ALDI, feitas de material reciclado e/ou certificado.

Definimos ainda como objetivo a promoção do princípio da economia circular através de projetos. Em 2019 desenvolvemos a simbologia “Deposição Seletiva ALDI” e vamos incluí-la gradualmente nas embalagens das marcas próprias na Alemanha. Esta simbologia ajuda o cliente a fazer a separação correta dos diferentes materiais que compõem as embalagens. Desta forma, contribuímos para um aumento das taxas de reciclagem e para um esclarecimento necessário do consumidor. Além disso, comprometemo-nos no âmbito do “Recycled Polyester Commitment” da organização Textile Exchange, a aumentar para 25 por cento a proporção de rPET (poliéster reciclado) até 2020. No setor dos têxteis e calçado já utilizamos fibras de materiais reciclados.

No fim de 2018, na Bélgica, Alemanha, Luxemburgo e Holanda, todos os sacos de compra passaram a ser reutilizáveis e os sacos de plástico de utilização única foram descontinuados. Desta forma, poupamos anualmente 1200 toneladas de plástico. As receitas provenientes da venda dos últimos sacos de plástico de utilização única destinar-se-ão a apoiar projetos sustentáveis na Alemanha e na Holanda.

Para promover o tema das embalagens sustentáveis e da redução do plástico no nosso setor, apoiamos jovens start-ups que desenvolvem ideias inovadoras para soluções sustentáveis de embalagens. Juntamente com o programa Start-up-Accelerator “TechFounders”, vamos, numa primeira fase, identificar start-ups para projetos de cooperação inovadores. No cerne deste programa está o apoio financeiro das start-ups, mas não só: ao longo da parceria, o ALDI Nord acompanha os participantes também na qualidade de impulsionador e mentor.

Enquanto empresa de retalho no ramo alimentar, evitar o desperdício alimentar assume para nós um papel central. Por princípio, gerimos os stocks dos artigos de modo a que haja tão pouco desperdício quanto possível. Quaisquer excedentes são disponibilizados, dentro do possível, no âmbito de doações alimentares. Para o efeito, as sociedades ALDI nos países trabalham com bancos alimentares, em alguns casos, há já muitos anos. Esta é uma cooperação que desenvolvemos de forma contínua. Sobretudo na Dinamarca e em Portugal foi possível aumentar significativamente o número de lojas que, em 2018, doaram alimentos. Na Bélgica, Luxemburgo e Portugal, 100 por cento das lojas disponibilizaram bens alimentares para doação; na Dinamarca, foi possível aumentar a percentagem de 18,1 por cento para 56,3 por cento. No ano em análise no relatório, um total de 77,3 por cento das nossas lojas de todo o grupo empresarial doaram alimentos que já não são vendáveis mas que ainda podem ser consumidos (2017: 75 por cento).

COMBATE À CORRUPÇÃO

Princípio 10: Medidas contra a corrupção

Gestão empresarial orientada por valores

“Simples, responsável e fiável” são os valores que guiam a nossa atividade e fazem parte da nossa imagem corporativa “Simplesmente ALDI”, uma norma aplicável a todas as empresas do grupo empresarial ALDI Nord. Esta declaração serve como orientação a mais de 74 000 colaboradores ALDI. A Política de Corporate Responsibility (CR-Policy) em vigor, igualmente aplicável a todo o grupo empresarial, complementa a imagem corporativa. Ela descreve o nosso entendimento de CR e define em que áreas de atuação se aplica a nossa responsabilidade empresarial. No nosso programa CR delineamos objetivos claros para cada área de atuação. Os nossos progressos são comunicados, entre outros, nos nossos relatórios de sustentabilidade.

O nosso entendimento relativo à Compliance

Os nossos valores “Simples. Responsável. Fiável” descrevem também o entendimento de Compliance do grupo empresarial ALDI Nord. A imagem corporativa da empresa “Simplesmente ALDI” indica: “A nossa palavra é de confiança.” O ALDI Nord espera um comportamento responsável e fiável de todos os seus colaboradores e parceiros de negócio. Devem ser cumpridos determinados requisitos obrigatórios, diretrizes e contratos. Estas normas constam do documento “Objetivos Compliance”, que é entregue a todas as chefias.

Os colaboradores do ALDI Nord encontram na imagem corporativa, bem como no Sistema de Gestão Compliance (CMS), instruções claras para um comportamento ético e irrepreensível. A responsabilidade pelo cumprimento das regras de Compliance pertence às chefias. O cumprimento é verificado por elas no âmbito de controlos que são definidos no nosso CMS.

A relação entre os fornecedores e as sociedades ALDI encontra-se claramente regulamentada nas Condições Gerais de Compra. As mesmas proíbem comportamentos que restrinjam a concorrência por parte dos fornecedores e produtores e definem sanções para o caso de incumprimentos. As Condições Gerais de Compra também definem os requisitos de Compliance a cumprir por parte dos contratantes. Aos prestadores de serviços aplica-se ainda o Código de Conduta para o cumprimento das normas sociais na construção e prestação de serviços em nome do ALDI Nord.

No caso de incumprimento – seja por parte de um fornecedor ou por parte de um colaborador ALDI – os Manager de Compliance abrem um inquérito exaustivo. Infrações cometidas por fornecedores ou colaboradores são examinadas de forma sistemática.

Sistema estruturado de gestão de Compliance

O Sistema de Gestão Compliance (CMS) como norma para o ALDI Nord tem como objetivos, apoiar todos os colaboradores no cumprimento dos valores principais do ALDI Nord, garantir e promover o sucesso contínuo das empresas do grupo empresarial ALDI Nord e evitar prejuízos. O CMS é disponibilizado a todas as sociedades ALDI. As adaptações locais são executadas em conjunto com os responsáveis das sociedades ALDI nos respetivos países. Em finais de 2018, como parte do CMS, criámos um Sistema de Denúncias (whistleblowing), que constitui um canal de sinalização adicional, através do qual as infrações à Compliance no grupo empresarial ALDI Nord podem ser reportadas, incluindo de forma anónima. Toda e qualquer infração legal e incumprimento das regras internas (por exemplo, corrupção, práticas anti concorrenciais, má-conduta ética, desrespeito das regras em matéria de segurança, normas sociais e direitos humanos) podem ser denunciados desta forma. O sistema de denúncias pode ser acedido interna e externamente, a qualquer hora, nas páginas web.

Consagração na empresa

De forma a sensibilizar todos os colaboradores ALDI para a importância do tema Compliance, são proporcionadas diversas formações. Os novos colaboradores recebem formação sobre as orientações mais importantes do grupo empresarial ALDI Nord. Além disso, os colaboradores do Departamento de Compras, Qualidade, CR e Comunicação Empresarial da ALDI Einkauf na Alemanha participam regularmente em formações sobre temas como regras anti monopolísticas (anti-trust), concorrência desleal, proteção de segredos de negócio, prevenção da corrupção e requisitos da Supply Chain Initiative. Estas formações são prática habitual em todos os países do grupo empresarial ALDI Nord. No início de 2018, prestámos formação, na Alemanha, a cerca de 700 colaboradores dos quadros superiores das diversas sociedades regionais sobre o CMS e o IT-Tool. Estes, por sua vez, dão formação aos colaboradores das sociedades regionais.