Do campo de algodão até à loja: a viagem de um babygro

A maioria das peças de vestuário que os nossos clientes encontram nas nossas lojas já percorreram um longo caminho. A viagem dos nossos babygros começa nos campos de algodão da Índia. É aqui que começa também o nosso trabalho de sustentabilidade. E este trabalho traz consigo alguns desafios.

Tag

 

Antes de o babygro estar à venda nas nossas lojas como produto acabado, o algodão é transformado em diferentes locais de produção após a apanha. Primeiro, na fase da fiação, a matéria-prima é transformada em fios, com os quais será possível tecer. Depois, o tecido é tingido e/ou estampado e a peça de vestuário é acabada na fase de costura. Na nossa gestão da sustentabilidade acompanhamos, por exemplo, todo o ciclo de vida dos têxteis: desde o cultivo da planta do algodão até ao dia em que a peça de vestuário deixa de ser utilizada. No melhor dos casos, é reintroduzida no ciclo dos têxteis através da recolha de roupas usadas.

Queremos que o ambiente seja prejudicado tão pouco quanto possível pelos processos produtivos. Além disso, defendemos condições de trabalho justas. Por essa razão, o babygro, por exemplo, é certificado segundo a norma Global Organic Textile Standard (GOTS).

Global Organic Textile Standard (GOTS)

A norma Global Organic Textile Standard (GOTS) define critérios uniformes a nível mundial para a transformação de têxteis. Esta inclui o cultivo biológico das fibras de algodão, o fabrico amigo do ambiente e socialmente responsável, assim como uma rotulagem uniforme dos produtos. A certificação segundo a GOTS é realizada por institutos de teste independentes.

Gráfico: A viagem do nosso babygro

1. Obtenção da matéria-prima

Colheita manual de algodão

Icon Baumwolle O algodão representa dois terços e é, desta forma, o principal componente do vestuário e dos têxteis para o lar distribuídos pelo ALDI Nord.

Sete meses: é este o tempo que demora até que uma semente se transforme numa planta de algodão grande. O algodão é cultivado sobretudo na Índia, China e EUA. A sustentabilidade tem um papel importante logo na fase do cultivo. Os arbustos de algodão requerem muita água, que muitas vezes é um recurso escasso nos países produtores. Além disso, os fertilizantes e pesticidas podem poluir o ambiente. Por essa razão, compramos cada vez mais produtos de algodão sustentável. Para tal, utilizamos as normas Global Organic Textile Standard (GOTS), Organic Content Standard (OCS), Fairtrade, outras normas da produção biológica, assim como algodão reciclado. Na Alemanha, publicámos em 2017 uma Política Nacional de Compra de Algodão. Esta abrange uma grande parte dos artigos comercializados também noutros países, no âmbito das compras feitas a nível internacional.

O babygro é feito de algodão biológico. No seu cultivo é proibida a utilização de pesticidas químicos e fertilizantes. O algodão biológico do nosso babygro é proveniente da Índia, de onde a matéria-prima parte para o país vizinho Bangladeche.

2. Produção de fios e tecidos

Na fase seguinte, os produtores do Bangladeche fiam o algodão biológico e fazem tecidos a partir dele. Depois, o tecido é tingido e lavado. Para tingir ou descolorar tecidos, as fábricas utilizam químicos. Estes podem contaminar a água nas imediações dos locais de produção e prejudicar a saúde dos trabalhadores. Com o apoio da Campanha Detox da Greenpeace, definimos, em 2015, o objetivo de eliminar a utilização de certas substâncias químicas na produção de vestuário e calçado até 2020. Para tal, trabalhamos em estreita colaboração com os nossos fornecedores para obter progressos na gestão de químicos. A norma GOTS, segundo a qual o babygro está certificado, também estipula regras rigorosas para a utilização de aditivos químicos.

Na fábrica de fiação

Na fábrica de fiação

Colaboradores numa reunião

Comunicação e esclarecimento

3. Confeção

Pouco a pouco, o babygro vai ganhando forma: agora, o tecido é cortado por medida e cosido. No nosso esforço de defesa dos direitos humanos e laborais nos locais de produção, só trabalhamos com fornecedores que contratem fábricas que estejam em condições de apresentar um comprovativo de auditoria social válido. Além disso, através do nosso Projeto de Diálogo, promovemos a melhoria das condições de trabalho nos locais de produção: em 2013, a ALDI lançou o “ALDI Factory Advancement Project”. Este projeto segue uma abordagem baseada no diálogo e na cooperação. Os trabalhadores e as chefias devem desenvolver competências que lhes permitam dialogar e resolver problemas em conjunto. O local de produção no Bangladeche onde foi costurado o nosso babygro também participa neste programa.

Diretor de produção na confeção

Abu Sahid tem 29 anos e, há 13 anos, veio de uma pequena aldeia para Daca, para aí poder ganhar mais dinheiro. Em 2006, começou por trabalhar na máquina de costura. Hoje em dia é responsável por um piso inteiro com 16 linhas de produção. Vive com a sua pequena família perto da fábrica e trabalha para poder um dia assumir a função de diretor de produção de uma grande fábrica.

Retrato de uma costureira

Dulali Akter tem 26 anos e trabalha há quase dois anos na área da costura. No futuro, quer continuar a sua formação de costureira. Vive com o marido e o filho perto da fábrica. O seu sonho comum: fazer uma viagem a Singapura.

4. Venda e utilização

Após uma viagem de cerca de 11 mil quilómetros, o babygro está pronto e a caminho de uma das nossas lojas, passando por um dos nossos centros logísticos na Europa. Mas antes disso, ainda realizamos um abrangente controlo de qualidade, para assegurar que respeita os nossos elevados requisitos, por exemplo no que diz respeito à resistência das costuras ou à velocidade com que forma borboto. Se a verificação for realizada com sucesso, o babygro pode finalmente mostrar o que vale nas brincadeiras e cócegas. Mais tarde, quando a roupinha já tiver passado pelos irmãos e filhos de amigos e já tiver deixado de servir, está na altura de a deitar fora.

Bebés vestidos com o babygro ALDI

Chegou ao ALDI Atual: os nossos babygros

Logótipo ATC

Saber de onde vem: na Alemanha, desde maio de 2018 que o ALDI Transparency Code se aplica também aos têxteis.

5. Do velho faz-se novo

Mas a história do babygro não pode acabar assim. A solução é a reutilização. Quando as peças de vestuário são reaproveitadas, é possível poupar recursos e preservar o ambiente. O babygro, uma vez terminado o seu ciclo de vida útil, também pode encontrar um novo destino, seja como roupa de segunda mão, como matéria-prima para novos têxteis ou como pano de limpeza. E quem opta por deitar o babygro num contentor de roupa usada de uma organização de solidariedade social apoia, assim, projetos de cariz social.

Conteúdos adicionais
Destaques
Notavelmente justo!

Produtos do comércio justo a preços acessíveis? É isso que já oferecemos há muitos anos. Pelo nosso empenho de vários anos no comércio justo formos distinguidos pela organização TransFair.

Temas principais
Políticas de Compra Sustentáveis Food

A nossa responsabilidade para com os produtos alimentares não abrange apenas o trajeto entre o armazém logístico e a caixa registadora nas lojas. Assumimos responsabilidade pela produção sustentável das matérias-primas em toda a cadeia de valor.

Destaques
Parceria para uma pesca sustentável

Sem rodeios no que diz respeito à pesca: em 2017, a ALDI Polónia foi o parceiro oficial da campanha de aniversário do Marine Stewardship Council (MSC). Uma boa ocasião para informarmos sobre métodos de captura sustentáveis e o selo MSC.

Destaques
Passo a passo em direção a um maior bem-estar animal

Na Alemanha, o Departamento CR da ALDI Einkauf trabalha em diversos temas relacionados com o bem-estar animal. No ALDI Nord trabalhamos com uma equipa empenhada no sentido de, passo a passo, alcançar verdadeiros progressos.

Destaques
Bem-Estar Animal num discounter – uma contradição?

Um número cada vez maior de consumidores interessa-se pela proveniência dos produtos alimentares de origem animal que adquirem nas nossas lojas. Dedicamo-nos de forma incansável à questão do bem-estar animal, juntamente com os nossos fornecedores e diferentes organizações.

Temas principais
Normas sustentáveis na cadeia de abastecimento de artigos Non-Food

Assumimos responsabilidade por condições seguras e justas e o cumprimento de padrões ambientais em todas as partes onde podemos fazer valer a nossa influência formativa.